Crosta lunar foi pulverizada por meteoritos, segundo a Nasa

Estas pesquisas foram apresentadas na conferência anual da American Geophysical Union. Foto: AFP/Arquivo Jens Buttner  
Estas pesquisas foram apresentadas na conferência anual da American Geophysical Union. Foto: AFP/Arquivo Jens Buttner

A crosta lunar foi quase totalmente pulverizada no passado por bombardeios de asteroides e cometas, revelaram medições das sondas americanas da missão GRAIL, que surpreenderam cientistas cujos trabalhos foram publicados esta quarta-feira.

“Sabia-se que os planetas rochosos do Sistema Solar tinham sofrido muitos impactos há vários bilhões de anos, mas ninguém pensava que a superfície lunar tivesse sido tão maciçamente bombardeada”, destacou Maria Zuber, professora de Geofísica no Massachusetts Institute of Technonoly (MIT), encarregada científica da missão GRAIL (Gravity Recovery And Interior Laboratory).

Noventa e oito por cento da crosta lunar está fragmentada, disse. “Trata-se de uma surpresa tão grande que levará muitos planetólogos a repensar a história da evolução dos planetas”.

As duas sondas gêmeas, em órbita polar desde janeiro passado, fizeram medições muito precisas do campo gravitacional lunar que revelaram a divisão das massas, assim como a espessura e a composição dos diferentes estratos da Lua, até seu núcleo.

Deixaram claro, por exemplo, que a crosta lunar é muito mais fina do que pensavam os cientistas, ao apresentar uma espessura de 34 km a 43 km, de 6km a 12 km a menos do que o se tinha calculado até agora.

A composição da Lua aparece, então, como “similar à da Terra, o que alimenta a teoria de que está formada por materiais terrestres espalhados após um enorme impacto no começo da história do Sistema Solar”, explicou Mark Wieczorek, do Instituto de Física do Globo de Paris, autor de um dos três estudos sobre os resultados da missão GRAIL.

Estas pesquisas foram apresentadas na conferência anual da American Geophysical Union, em San Francisco, e publicadas na versão online da revista americana Science.

Em relação à sua superfície, o interior da Lua parece extremamente regular. Os cientistas descobriram que a maior parte das variações constatadas no campo gravitacional eram produto de formações geológicas produzidas na superfície, como montanhas ou crateras.

A crosta externa da lua carece de estruturas rochosas densas e é constituída, provavelmente, por materiais porosos ou pulverizados.

O mapa do interior da Lua revela, por sua vez, a existência de mapas mais densas, formadas por magma vulcânico, que terminou se solidificando e formando densas paredes rochosas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s