O mundo é dos loucos: Timão bate o Chelsea o leva o bi mundial

Rivais, ajoelhem-se para reverenciar a história construída pelo Corinthians e a Fiel neste 16 de dezembro de 2012. Sem precedentes. Eterno. O time formado por jogadores operários, o clube do povo e da apaixonada torcida que cruzou continentes têm o futebol a seus pés. Sofrido, suado, chorado, o Corinthians venceu o Chelsea por 1 a 0, em Yokohama, e deixou de ser apenas Paulista como está escrito em seu centenário símbolo. O Corinthians é do mundo. Bicampeão do mundo.

guerrero corinthians x chelsea (Foto: Getty Images)Guerrero  comemora o gol do título do Corinthians  (Foto: Getty Images)

A conquista corintiana tem um herói em cada extremidade do campo. Na defesa, Cássio cresceu acima dos seus 1,95m para criar uma nova categoria de milagres ao defender chutes de Cahill e Moses no primeiro tempo. No segundo, brilhou Paolo Guerrero. O mesmo Guerrero que foi dúvida para o torneio. O mesmo herói da classificação nas semifinais. Agora, eternizado com o gol de cabeça aos 23 minutos.

Assim como na Libertadores, vencida diante do sempre temido Boca Juniors, o Corinthians chega ao título contra um adversário poderoso. O Chelsea, símbolo máximo do novo futebol comandado por mecenas do leste europeu ou das Arábias, sucumbiu diante de um adversário sem estrelas, mas extremamente eficiente.

O triunfo sobre os ingleses completa um ciclo de vitórias grandiosas que teve início em uma derrota histórica. Da Série B para o estrelato. O Corinthians rebaixado no Brasileirão de 2007 aprendeu com os erros e se reestruturou para chegar ao topo. Agora, desponta como uma das potências do futebol nacional nos próximos anos.

Tatuapé, Mooca, Interlagos, Itaquera, Pirituba, Jardim Ângela, Cachoeira, Vila Mazzei, Vila Moraes, Cangaíba, Tucuruvi, Capão, Bela Vista, Guarulhos, Francisco Morato, Tabão da Serra, Carapicuíba, Itaquaquecetuba, Pindamonhangaba, Serra Negra, Suzano, Mogi Guaçu, Cubatão, Praia Grande, Rio Preto, Indaiatuba, Sorocaba, Jundiaí, Curitiba, Espírito Santo, Maranhão, Santa Catarina Miami, Sydney…

…as bandeiras da Fiel penduradas no estádio neste domingo simbolizam uma das maiores demonstrações de amor da história do futebol. Alvinegros de todas as partes tomaram fizeram do estádio da finalíssima um Pacaembu em proporções gigantes. As ruas do Oriente estão tomadas, enlouquecendo os rígidos japoneses com os gritos de “Vai, Corinthians” em uma festa que só terminará no Brasil. Ou em qualquer outro lugar da Terra.

paolo guerrero emerson corinthians x chelsea (Foto: Marcos Ribolli/GLOBOESPORTE.COM)Paolo Guerrero e Emerson em disputa com Ivanovic (Foto: Marcos Ribolli/GLOBOESPORTE.COM)

Cássio faz milagres no primeiro tempo

O Corinthians usou a obediência tática para não permitir que o Chelsea tirasse proveito de sua melhor qualidade técnica. O Timão cumpriu à risca o que Tite pediu nos últimos dias e esperou os jogadores da equipe inglesa no campo de defesa para tentar surpreender nos contra-ataques. A estratégia deu certo, mas poderia ter funcionado melhor com mais capricho nas finalizações, principalmente de Emerson.

Os Blues fizeram a bola rodar de lado a lado nos primeiros minutos. Rafa Benítez surpreendeu ao escalar Lampard, Ramires e Moses, dando mais habilidade ao meio de campo e força ao ataque. A mudança em relação à semifinal, porém, deu espaços aos brasileiros. Paulinho, travado por Cahill na finalização, quase marcou após linda jogada entre Fábio Santos e Danilo.

O zagueiro inglês, aliás, foi para os vestiários sem entender o milagre operado por Cássio que salvou o Corinthians de ficar em desvantagem logo no início. Em desvio de cabeça dele, Chicão cortou. No rebote, o próprio grandalhão britânico chutou de bico quase na pequena área para incrível defesa do “Frankenstein” no canto esquerdo.

cassio corinthians x chelsea (Foto: Reuters)Cássio salva em cima da linha, após finalização
de Cahill (Foto: Reuters)

Mais solto a partir dos 20 minutos, os corintianos foram liderados por um inspirado Paolo Guerrero, longe de ser apenas o centroavante que Tite tanto quis. O peruano brigou, abriu espaço, mas não pôde contar com Emerson. O herói da Libertadores esteve apagado, perdendo grande chance ao receber do camisa 9 sem marcação e não retribuindo a gentileza quando o companheiro aparecia livre na área.

A incredulidade inglesa aumentou perto do fim. Cássio, mais uma vez, arrancou gritos de espanto no estádio. Primeiro, em chute cheio de veneno de Moses, que defendeu com a ponta dos dedos no canto esquerdo. Depois, freou uma finalização de longa distância de Mata. Um gigante.

Guerrero marca

A cautela corintiana acabou definitivamente no segundo tempo. O Timão voltou do intervalo mais agressivo ofensivamente, com Paulinho se aproximando do trio de ataque. O Chelsea também não se poupou. O resultado foram minutos em que o meio de campo deixou de existir e abriu as defesas. Cássio, de novo, parou Hazard após passe certeiro de Mata.

Embalado pelo incentivo da torcida, o Corinthians passou a controlar o jogo em ritmo cadenciado para envolver a marcação adversária. O gol parecia se aproximar e veio da cabeça do melhor alvinegro em campo na partida. Aos 23, Danilo cortou a marcação e bateu prensado. A bola subiu, caiu e encontrou a cabeça de Guerrero. Desvio simples, gol eterno.

O Chelsea esteve longe de reagir. Benítez imediatamente colocou o brasileiro Oscar na vaga do nigeriano Moses, mas a produtividade seguiu baixa. O Corinthians e agigantou com a vantagem, brigando por cada centímetro de campo e impedindo que os ingleses crescessem novamente.

Nos minutos finais, os Blues ainda tentaram furar. Furaram é bem verdade, mas não por completo. Aos 40 minutos, quando o empate parecia certo, Cássio fez mais uma milagre ao defender chute de Fernando Torres quase na pequena área. Aos 46, o espanhol chegou a marcar, de cabeça – gol corretamente anulado, por impedimento. Era a noite de Cássio. Era a noite do Corinthians bicampeão mundial.

guerrero corinthians x chelsea (Foto: Reuters)Guerrero, de cabeça, marca o gol do título do Corinthians  (Foto: Reuters)
Anúncios

Os reajustes milionários da arena do Sport

Projeto para o complexo da arena do Sport. Crédito: Jorge Peixoto/Instagram

Foco maior na sucessão presidencial do Sport, a futura arena rubro-negra teve mais um reajuste no orçamento geral, num projeto desde sempre com cifras astronômicas.

A estrutura original, desenvolvida pela DDB/Aedas, considerava apenas o estádio. Inicialmente, seriam R$ 400 milhões. Contudo, antes do lançamento, em 17 de março de 2011, foi incorporado ao projeto duas torres empresariais e um hotel, equipamentos necessários para a viabilizar a contrapartida do investidor, a Engevix.

Logo, o gasto subiu para R$ 500 milhões, preenchendo todo o território do clube.

Em 13 de março deste ano, na divulgação do projeto com a assinatura do escritório Pontual Arquitetura, já com a readequação exigida pela Prefeitura do Recife, a previsão foi elevada para R$ 600 milhões, incluindo um mini-shopping.

No que parece ser o dado final, o presidente Gustavo Dubeux, já com a versão definitiva do projeto nas mãos, estipula agora em até R$ 750 milhões…

Só a arena está orçada entre R$ 350 mi e R$ 400 mi. Ou seja, será mais cara que o Palestra Itália, do Palmeiras, com os mesmos 45 mil lugares, ao custo de R$ 330 milhões.

Fonte:blogs.diariodepernambuco.com.br

Do campo de terra à arena multiuso em Pernambuco

No sábado, às 19h, Petrúcio Amorim sobe ao palco do Projeto Viva Gonzagão, na Praça do Arcenal. Na mesma noite ainda se apresentam Genival Lacerda e João Lacerda, Silvério Pessoa, Mônica Feijó e Isaar. Foto: Blenda Souto Maior/DP/D.A Press (sábado)
No sábado, às 19h, Petrúcio Amorim sobe ao palco do Projeto Viva Gonzagão, na Praça do Arcenal. Na mesma noite ainda se apresentam Genival Lacerda e João Lacerda, Silvério Pessoa, Mônica Feijó e Isaar. Foto: Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Um dia depois do aniversário de Gonzagão as homenagens continuam em Olinda e no Recife, com diversas opções para o público. O forró, xote e baião não param. Nesta sexta-feira, o palco montado na Praça do Arsenal, no Bairro do Recife, recebe Azulão, Projeto Viva Gonzagão, Assisão e Nando Cordel. No sábado, é a vez de Genival Lacerda e João Lacerda, Petrúcio Amorim, Silvério Pessoa, Mônica Feijó, Isaar, entre outros. A farra na começa às 19h e é gratuita.

Confira hotsite especial Sertão Gonzaga

A Sala de Reboco também comemora o centenário do Rei do Baião, com tributo do sanfoneiro Cezzinha, a partir das 21h. Os ingressos para a noite custam R$ 15 (mulheres para R$ 5 até as 22h).

No Teatro Arraial, que fica na Rua da Aurora, Cláudio Rabeca participa do Arraial Instrumental, ao meio-dia, tocando temas de Luiz Gonzaga. Às 20h, acontecem duas esquetes para o Rei do Baião: Lua de amor, de Williams Santa’Anna, e Contos de uma Asa Branca, de Eron Villar.

Em Olinda, um “arrastão” artístico em homenagem a Luiz Gonzaga está marcado para as 16h desta sexta, no Museu Regional de Olinda (Mureo). O anfitrião é representado por um boneco gigante do sanfoneiro, confeccionado por Sílvio Botelho. O percurso, que inclui o Largo do Amparo, a Praça de São Pedro e chega até os Quatro Cantos, será embalado pelo Grêmio Musical
Saiba mais…
Correios lançam selo em homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga Forró de Luiz Gonzaga mostra que tem poder de conquistar estrangeiros Diario de Pernambuco publica série de reportagens e caderno sobre Luiz Gonzaga Caixa Cultural Recife participa do centenário de Luiz Gonzaga Centenário de Luiz Gonzaga tem programação em Recife e Exu
Henrique Dias. No lugar do habitual frevo, o grupo executará ritmos como forró, xote e baião. No museu, ponto final da caminhada musical, será inaugurada a exposição Seu Lua no Mureo: 100 anos de Gonzaga, o rei do Nordeste, reunindo telas de Cláudia Cassemiro.

Na reta final de obras, hora de uma nova campanha publicitária.

Focando o surgimento da Arena Pernambuco…

Confira o vídeo do “O começo de uma nova história”, misturando o tradicional futebol em campinhos de terra com crianças paralelamente à evolução da obra do estádio.

Na peça, aparecem módulos do estádio e placas da grama durante uma pelada, por mais que o ponto exato da arena não fosse ocupado por campinho algum.

No entanto, vale, sim, a licença poética para o novo produto. A inauguração da Arena Pernambuco está marcada para o dia 14 de abril de 2013.

A primeira contribuição de Oscar Niemeyer no Nordeste

Projeto do Estádio Presidente Médici, do Sport, em 1971. Foto: Arquivo/Diario de Pernambuco

Faleceu aos 104 anos o arquiteto mais famoso do país, Oscar Niemeyer.

São inúmeros os projetos com a sua assinatura, como o Conjunto Pampulha, em Belo Horizonte, a cidade de Brasília, a Passarela do Samba, no Rio de Janeiro, o Museu de Arte Contemporânea, em Niterói, e o Memorial da América Latina, em São Paulo. Entre outras centenas de traços conceituados, ou curvas, como gostava.

O Nordeste também entrou na rota criativa de Niemeyer. No Recife, a história.

Uma obra inacreditável, apontada como a “mais bela praça de desportos do mundo”, segundo o Diario de Pernambuco há 41 anos. Era a primeira vez que Oscar Niemeyer apresentava um projeto para a região. Em um ensaio de megalomania futebolística, o segundo maior estádio do mundo, inferior apenas ao Maracanã. Seriam 140 mil lugares.

Era esse o audacioso projeto do Sport, lançado oficialmente em 6 de agosto de 1971.

O estádio Presidente Médici – cujo nome foi autorizado pelo então presidente da República, general Emílio Garrastazu Médici – ficaria na Joana Bezerra, a menos de um quilômetro da Ilha do Retiro. O palco seria coberto, dividido por quatro setores: arquibancada (90 mil lugares); popular (25 mil); cadeiras (24 mil) e camarotes (1 mil).

O complexo seria construído pela Hofmann Bosworth Eng. S/A, com previsão de 36 meses. Além do estádio, um estacionamento para cinco mil carros.

O fato de o Arruda, em seus primeiros módulos, ter sido escolhido pelo governo do estado para a ser a sede local em 1972 na Copa da Independência do Brasil, com 20 países, recebendo todo o investimento, acabou atrapalhando o sonho rubro-negro.

O projeto parou na maquete e na terraplanagem. O motivo? Dívidas. O próprio terreno, cedido ao Leão pela família Brennand, foi utilizado em 1974 para amortizar os débitos.

Em 1971, Santa Cruz e Náutico também lançaram projetos. Confira aqui e aqui.

Projeto do Estádio Presidente Médici, do Sport, em 1971. Foto: Arquivo/Diario de Pernambuco

Fonte:http://blogs.diariodepernambuco.com.br

QUEREMOS NOTAS PERFUMADAS

Foto de zagueiro usando dinheiro como papel higiênico gera polêmica

Liam Ridgewell, do West Bromwich, fez a foto no banheiro de sua casa. Torcedores do clube repudiam atitude: ‘Seria enforcado há 100 anos’

A foto gerou polêmica quando insinuaram que a nota de 100 seria mais macia que a de 50.

O pior é usar notas de 10: não limpa, não prova que você é rico, e te faz perder uma grana.

O ideal é se limpar com o extrato do banco, nele consta todo seu dinheiro e você não perde nenhum centavo.

Fonte:http://www.jacarebanguela.com.br/

Presidente da CBF fala no ouvido de Ronaldinho: ‘Conto com você’

Marín faz muita festa ao receber o craque do Atlético-MG durante a festa de premiação dos destaques do Brasileirão

Por Fernando Martins Y Miguel São Paulo

O meia Ronaldinho Gaúcho, do Atlético-MG, ganhou força na seleção brasileira, a partir do anúncio de Luiz Felipe Scolari como o novo treinador, em substituição a Mano Menezes. E se depender do presidente da CBF, José Maria Marín, R49 voltará a defender o Brasil em um futuro bem próximo.

José Maria Marin e Ronaldinho Gaucho (Foto: Fernando Martins / Globoesporte.com)José Maria Marín conversa com Ronaldinho Gaucho (Foto: Fernando Martins / Globoesporte.com)

O jogador chegou à festa Premiação Brasileirão 2012 e foi o único que não atendeu à imprensa. O craque partiu em direção ao setor de convidados, sentou-se à mesa e recebeu o assédio de vários fãs.

Entre uma foto e outra, o jogador foi chamado por José Maria Marín, que estava em uma mesa próxima. Ronaldinho passou por vários convidados até chegar ao mandatário da CBF, que fez uma grande festa ao receber o meia do Atlético-MG.

Após um efusivo abraço, Marín falou várias coisas ao pé do ouvido de Ronaldinho, que, calado, apenas acenava positivamente com a cabeça. Entre um cochicho e outro, o fim da breve conversa foi ouvido. Marín deixou subentendido o que pensa a respeito do futuro de Ronaldinho.

– Conto com você – disse o dirigente.

Ronaldinho, com o semblante sereno, apenas acenou novamente com a cabeça e respondeu.

– Pode contar – disse o jogador, que logo se dirigiu ao local destinado a ele e ao irmão e empresário, Roberto Assis.

Dirigente popular

Além de Ronaldinho Gaúcho, Fred, do Fluminense, Neymar, do Santos, e Lucas, do São Paulo, também cumprimentaram o presidente da CBF. Um por um, todos foram à mesa de Marín. Ao atacante Fred, o dirigente foi enfático.

– Fique tranquilo com Felipão.

A primeira partida da Seleção sob o comando do novo treinador será diante da Inglaterra, no dia 6 de fevereiro de 2013, no estádio de Wembley, em Londres.

Fonte:http://globoesporte.globo.com